Por onde começar?


Vamos começar com os habituais cumprimentos: prazer, oi, sou Lucas.
Sou escritor. Pelo menos é o que acho. Se eu pretendia ser escritor? Não. Nunca. Jamais. Queria ser aposentado, só isso. 
Eu gostava de contar histórias, isso é verdade, e inventar personalidades sempre foi um dom, mas eu estava longe de ver isso como trabalho; era incontestavelmente prazer e indubitavelmente despretensioso.
O momento exato que descobri o que era ser escritor foi quando percebi que eu tinha ideias demais e memória de menos. Eu precisava anotar as ideias que eu tinha e, acredite, críticas sobre histórias que eu lia. Sabe aquele final óbvio que você adoraria mudar ou aquele personagem que você imagina com um final mais digno? Então, eu anotava essas ideias. Mas logo eu não queria criar apenas finais, eu queria criar histórias inteiras! E quanto aos personagens? A identidade dos meus já não batiam com o nome já criado por outros autores. Era hora de batizar o meu próprio povo.
E isso foi aos 13.
Começou com uma história de 3 páginas (lembro bem que era um mistério) e em seguida decidi que aquela "historinha" precisava de continuação. Então o próximo volume veio com nove páginas e o seguinte, vinte. Mas ainda era pouco. Contar só a história do protagonista não bastava, eu precisava dar "lembranças" aos outros personagens que eu havia criado com tanta dedicação quanto o principal. Então mais páginas foram riscadas. E logo eu precisei de mais folhas para falar do mundo em que viviam, seus costumes, sua ligação com outros personagens que também mereciam um passado!... Logo as primeiras cem, duzentas páginas apareceram. E surgiu também uma vontade inexplicável de mostrar essas páginas para alguém. Alguém que pudesse gostar do meu mundo, dos meus personagens, das minhas histórias tanto quanto eu.
Então, chamaram-me de escritor.

Bem, acho que foi esse o começo. E olha que eu nem estava aqui para escrever sobre como iniciei minha carreira, ou sobre como era um grande mentiroso. O que eu queria deixar claro aqui, leitor, era que o blog finalmente está de volta a ativa e que é, através dele, que vou entrar em contato com quem quiser ler minhas humildes linhas digitadas. Mas quer saber? Não creio que desviei muito do assunto. Se no passado eu comecei um grande feito escrevendo para poucos, quem sabe não é através deste novo grupo de leitores que mais um grande feito acontecerá? É esperar para ver.

Sejam muito (e quero dizer muito mesmo) bem-vindos.

This entry was posted on domingo, 17 de junho de 2012. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

Leave a Reply